Produtores De Amendoim Da Rca Enfrentam Ameaças E Roubo

0

TEXTO E FOTOS DA AGENCE FRANCE-PRESSE

Para muitos produtores de amendoim na região de Paoua, na República Centro-Africana, a vida é uma batalha diária. Eles têm de arrancar as plantas da terra, colher o amendoim e descascá-lo. Depois têm de sobreviver aos roubos, extorsão ou pior numa região onde os rebeldes e as forças pró-governo estão em guerra.

“O que está a impedir que nós desenvolvamos mais as plantações de amendoim em Paoua é a insegurança,” Jean-Paul Ndopaye, gestor de um armazém de amendoim, disse à Africanews. “Quando queremos enviar os nossos bens para Bangui, Berberati ou Bouar, podemos encontrar bandidos na estrada.”

“Existem muitas ameaças e roubos,” disse Celestine Inforo, de 33 anos de idade, descascando amendoim juntamente com outras dezenas de pessoas nos arredores de Paoua, uma cidade de 40.000 habitantes. “Tivemos de vender a nossa produção de forma muito rápida e a preços muito baixos.”

Inforo e seus colegas cada um enche vários sacos em algumas horas, depois um par de bois os transporta para um armazém seguro que lhes foi emprestado pela organização não-governamental, Oxfam. Fora do armazém, cada saco é pesado e registado entre 35 e 45 quilogramas.

Na cidade, um saco de amendoim descascado é vendido a cerca de 10.000 francos CFA, cerca de 17 USD. Na capital, Bangui, um saco é vendido por entre 20.000 e 30.000 francos CFA, diz Jean-Paul Ndopaye, Presidente da União de Produtores de Arroz de Paoua.

A produção excede muito a demanda da região, fazendo com que os preços reduzam, e 80% da população da cidade trabalha na indústria do amendoim.

A RCA tem vindo a enfrentar uma guerra civil desde 2013. O conflito diminuiu em intensidade nestes últimos anos, mas voltou a aumentar durante as últimas eleições presidenciais, em finais de 2020.

Na sombra de uma mangueira, mulheres transformam amendoim em óleo, manteiga e paus de “kuli-kuli,” que possuem um elevado conteúdo nutritivo. Umas torram amendoim. Outras batem a manteiga do amendoim numa tábua de madeira.

“O problema está no processamento,” disse Mahoua Coulibaly, gestora local do Programa Mundial de Alimentação. “É nisso que se deve investir para o bem-estar da população, mas neste momento não há fundos.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.