Costa do Marfim Abre Academia de Combate ao Terrorismo para Conter os Avanços Extremistas

Reading Time: 4 minutes

EQUIPA DA ADF

Em Fevereiro de 2020, os líderes dos grupos terroristas do Sahel reuniram-se na região central do Mali para um raro encontro presencial. De acordo com a inteligência francesa, os líderes da al-Qaeda no Magrebe Islâmico; o Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos, conhecido pela sua abreviatura Árabe, JNIM; e a Frente de Libertação de Macina conversaram sobre um objectivo comum: a expansão. Eles pretendem expandir em direcção ao Golfo da Guiné, e um dos primeiros países que irão atravessar será a Costa do Marfim.

Não foi necessário muito tempo para que o plano produzisse resultados mortais. Em Junho de 2020, extremistas invadiram um posto de segurança em Kafolo, matando 10 soldados. Em 2021, pelo menos sete ataques foram atribuídos a grupos terroristas na Costa do Marfim, ao longo da sua fronteira com o Burquina Faso.

“A Costa do Marfim deve preparar-se para esta crise,” Savadogo Mahamoudou, um especialista em extremismo violento, disse durante uma conferência no Instituto Superior de Gestão de Riscos (L’Institut Supérieur de Management des Risques), em Burquina Faso. “Eles não devem cometer os mesmos erros que os países do Sahel cometeram. Isto é, equipando e treinando correctamente as suas forças  de defesa e segurança.”

AFP/GETTY IMAGES

No mês passado, a Costa do Marfim enviou um sinal forte de que está preparado para a luta. No dia 10 de Junho, realizou uma cerimónia para inaugurar a Academia Internacional de Combate ao Terrorismo (AILCT, na sigla inglesa). O campus de 1.100 hectares localiza-se 50 quilómetros fora de Abidjan e inclui uma escola para oficiais do governo, um centro de treinamento para forças especiais e um instituto de pesquisa.

“A AILCT será a vanguarda da resposta de uma África Ocidental livre e consciente, especialmente treinada e rigorosamente determinada,” disse  o Primeiro-Ministro, Patrick Chi, durante a cerimónia.

O programa de treinamento para combate ao terrorismo foi criado pelo presidente costa-marfinense Alassane Ouattara e pelo presidente francês Emmanuel Macron, em 2017. Desde essa altura, já treinou 500 profissionais de 15 países africanos. As novas instalações terão módulos de treinamento para a polícia, o exército, agentes alfandegários e administradores de centros prisionais.

Os líderes enfatizaram que as suas portas estão abertas para todas as forças de segurança da região.

“A AILCT deve ser um centro de experiência e competência regional na luta contra o terrorismo para ajudar a estabilidade dos nossos Estados e a segurança das nossas populações,” disse  Ouattara.

Backers ofereceu 27 milhões de dólares para a primeira fase da academia com 45 milhões de dólares antecipados para a segunda fase. Aquando da abertura, a AILCT pode formar três grupos de 25 estudantes em simultâneo.

A formação é uma necessidade urgente. A cerimónia decorreu três dias depois de extremistas terem atacado uma estação de segurança na cidade nortenha de Tougbo, matando um soldado costa-marfinense. O ataque foi o terceiro naquela região num espaço de dois meses.

Especialistas afirmam que os grupos extremistas procuram capitalizar-se no ressentimento de civis na região do extremo norte, de modo a colocá-los contra o governo.

“O norte da Costa do Marfim está a começar a estar sob influência de grupos jihadistas. Esta região é fundamental para a segurança do Estado costa-marfinense,” especialista costa-marfinense em combate ao terrorismo, Lassina Diarra, disse à Agence France-Presse .

A partir da esquerda, Embaixador Francês na Costa do Marfim, Jean-Christophe Belliard, Ministro da Defesa Costa-Marfinense, Tene Birahima Ouattara, Ministro Francês da Europa e dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian, e Primeiro-Ministro Costa-Marfinense, Patrick Achi, cortam a fita durante a inauguração da Academia Internacional de Combate ao Terrorismo na Costa do Marfim. AFP/GETTY IMAGES

Atacar a ameaça irá necessitar de uma abordagem multifacetada que vai para além da confrontação militar. Os terroristas procuram explorar questões como a violência intercomunitária e capitalizar-se na ausência do Estado e na falta de oportunidades económicas. O norte possui ligações linguísticas e culturais com o vizinho Burkina Faso, o que permite que grupos que estão baseados naquele país atravessem a fronteira para fazerem o recrutamento. “Todos estes factores permitem que esta ameaça se propague de forma progressiva para os países das regiões costeiras e é facilitada por grupos terroristas armados que criam corredores e zonas de conforto nestes países,” disse Mahamoudou.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse que espera que a academia seja um fórum para a troca de ideias e experiências entre profissionais de segurança de modo a aprofundar a compreensão de problemas regionais.

“O flagelo do terrorismo não é inevitável. Nem em África, nem em qualquer outro lugar do mundo,” disse Le Drian durante a cerimónia. “É uma ameaça que devemos combater. … Podemos fazê-lo com coerência e pragmatismo, mobilizando os melhores especialistas com óptimas infra-estruturas. Sabemos que é nossa responsabilidade combatermos este inimigo  comum.”

« L’Etat de Côte d’Ivoire doit anticiper la crise. Il faut déjà, ne pas commettre les erreurs qu’ont commises les pays du Sahel. C’est-à-dire en équipant et en formant correctement ses Forces de défense et de sécurité. »

« L’AILCT doit devenir un pôle d’expertise et de compétence régional de la lutte contre le terrorisme au bénéfice de la stabilité de nos Etats et de la sécurité de nos populations », a déclaré le président ivoirien, Alassane Ouattara

« C’est tous ces facteurs qui font que cette menace est en train de progressivement s’installer vers les pays côtiers et bien facilitée par les groupes armés terroristes qui créent des couloirs et les zones de confort dans ces pays-là », ajoute l’expert.

« Le fléau du terrorisme n’est pas une fatalité ni en Afrique ni ailleurs, c’est une menace qu’il nous faut combattre, comme nous continuerons à le faire au Sahel et comme nous le ferons ici ensemble, a déclaré M. Le Drian. Nous le faisons avec cohérence et pragmatisme, en mobilisant les meilleurs spécialistes dans des infrastructures optimales.. »

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.