Preste Atenção a Estas Tendências da Segurança Cibernética em 2022

Reading Time: 4 minutes

EQUIPA DA ADF

De todas as formas, o futuro pós-pandemia de África é promissor, porque a inovação, o entusiasmo e a tecnologia irão reforçar o crescimento económico em 2022. Mas existe um contratempo para esse futuro económico promissor — o cibercrime.

O continente possui uma população jovem, centrada na tecnologia. Possui a rede de telefonia e de internet com crescimento mais rápido do mundo e tira o máximo de proveito dos serviços bancários móveis.

Como era de esperar, África está a testemunhar um aumento no número de ataques cibernéticos.

Tornou-se uma grande prioridade para o Mecanismo da União Africana para a Cooperação Policial (AFRIPOL), que recentemente entrou em parceria com a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) para alertar os países da ameaça.

“O cibercrime é um dos delitos que mais rapidamente se desenvolve entre as formas de crime transnacional que mais cresce e que os Estados-membros da União Africana enfrentam,” o Director-executivo do AFRIPOL, Tarek Sharif, escreveu no Relatório de Avaliação de Ameaças Cibernéticas Africanas de 2021, da Interpol.”

O Director da Área do Cibercrime da Interpol, Craig Jones, disse que os criminosos estão a explorar as vulnerabilidades de toda a região e a tirar vantagens das “variações das capacidades dos agentes da lei das fronteiras físicas.”

“A estratégia regional do cibercrime da INTERPOL para África fornece uma estrutura robusta para a partilha de influência e coordenação de medidas para fortalecer a resposta dos agentes da lei em toda a África e não só,” disse na página da internet da organização.

De acordo com especialistas em matérias de cibersegurança, estas são as principais ameaças e tendências para 2022:

Ransomware

A forma de cibercrime que mais cresce, os ataques de ransomware ocorrem a cada 11 segundos em todo o mundo.

Os cibercriminosos invadem ou infiltram-se nos sistemas informáticos, fazem a encriptação de dados importantes para bloquear o acesso, depois exigem um resgate para restaurar a funcionalidade do sistema.

A organização estatal sul-africana, Transnet, enfrentou um ataque cibernético sem precedentes em Julho, que prejudicou gravemente os seus serviços.

O Instituto de Estudos de Segurança observou que esta foi a “primeira vez que a integridade da infra-estrutura marítima de vital importância da África do Sul foi gravemente prejudicada.”

Acredita-se que o ataque suspendeu as instalações de manuseamento automatizado e online de contentores da Cidade do Cabo e de Durban, o porto mais movimentado da África Subsaariana.

No seu relatório, “Estado do Ransomware 2021”, a empresa de segurança de softwares, Sophos, fez um inquérito a sul-africanos e concluiu que 24% tinham experimentado um ataque de ransomware nos últimos 12 meses.

No continente, a África do Sul e a Zâmbia encontram-se entre os países mais atingidos pelo ransomware, afirma o relatório.

O custo médio para a recuperação de dados roubados nos ataques ransomware industrial na África do Sul foi de 447.097 dólares.

Escrevendo para a página da internet sul-africana, ITWeb, François Amigorena, fundador e PCA da IS Decisions, descreveu como o ransomware se tornou no crime cibernético dominante no continente.

“Nunca antes as empresas em África estiveram sujeitas à extorsão numa escala massiva como estão a ser hoje. Embora muitas prisões de alto nível relacionadas com os crimes cibernéticos tenham sido feitas pela polícia nos últimos anos, os praticantes de crimes cibernéticos continuam a evoluir e a diversificar o seu arsenal.”

Fraude

Páginas de internet falsas, mensagens de e-mail e de texto afirmando serem de fontes legitimas são utilizadas para enganar as pessoas para que estas revelem as suas palavras-chave assim como a sua informação pessoal e financeira.

Um inquérito de Junho feito pela agência de informação de crédito, TransUnion, concluiu que 68% dos inquiridos sul-africanos afirmaram que eles ou seus familiares tinham experimentado fraude nas redes sociais desde o início da pandemia.

Dados da TransUnion demonstraram que as tentativas de fraude digital contra empresas aumentaram em 44% no ano passado, em comparação com níveis anteriores à pandemia.

Um especialista — Ettiene Van Der Watt, director regional para o Médio Oriente e África, da empresa de videovigilância, Axis Communications — prevê que as burlas digitais irão tornar-se mais difíceis de prevenir em 2022 com a melhoria de tecnologia deepfake, em que um artigo multimédia é manipulado para substituir uma imagem ou um vídeo já existente com a aparência de outra pessoa.

“Com métodos melhorados de manipulação e de alteração de imagens e de vídeos, a autenticidade dos eventos e das pessoas, captados no mundo real, está comprometida,” escreveu para a página da internet da África do Sul, TechMetro. “Este não é um problema exclusivamente do sector de segurança, mas é um problema que exige soluções abrangentes para se poder vencer, como a aplicação de assinaturas digitais e confirmações da fonte dos dados para determinado equipamento hardware.

“A aplicação da IA [inteligência artificial] também demonstra ser promissora em ser capaz de detectar quando ocorre uma manipulação. Independentemente disso, este é um desafio contra o qual vários sectores têm de lutar e trabalhar mais arduamente para combater.”

Extorsão digital

Uma outra tendência no cibercrime é a extorsão, em que as vítimas são enganadas para partilharem informação ou imagens comprometedoras que são posteriormente utilizadas para as chantagear.

Apenas 30% do sector público sul-africano sente-se preparado para uma investida de extorsão cibernética, de acordo com Anna Collard, da empresa de cibersegurança, KnowBe4 Africa.

“Os cibercriminosos estão a combinar vários métodos para fazer com que a sua extorsão cibernética seja mais eficaz,” disse ela num comunicado. “As exigências estão a tornar-se cada vez maiores e o impacto mais pernicioso para a nossa economia e sociedade como um todo.

“O facto de o sector admitir que não está preparado para isso, o facto de que ele é um alvo atractivo, significa que a sua segurança deve ser uma prioridade.”

Criptomoedas

As burlas para extorquir as criptomoedas das vítimas também estão a aumentar. A África do Sul foi um dos 10 principais países a nível mundial em que as redes criminosas receberam criptomoedas a partir de endereços ilícitos, em 2021.

Um relatório de Agosto de 2021 feito pelo Instituto de Estudos de Segurança destacou duas burlas de investimento em criptomoeda na África do Sul:

“A maior fraude relacionada com criptomoeda do mundo em 2020 foi perpetrada na África do Sul pela Mirror Trading International,” comunicou o instituto. “Utilizando um esquema Ponzi, centenas de milhares de vítimas foram enganadas em 588 milhões de dólares em Bitcoin.

“Em Abril de 2021, a África do Sul mais uma vez esteve nos jornais com um ataque relacionado com criptomoedas ainda maior — desta vez perpetrado por uma empresa chamada Africrypt, cujos dois fundadores roubaram 3,6 bilhões de dólares de investidores, numa questão de horas.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.