Atenções Viradas para África do Sul na Pesquisa da Ómicron

0

EQUIPA DA ADF

Desde que a África do Sul detectou, pela primeira vez, a variante Ómicron, os olhos do mundo estiveram atentos para aquele país para ver qual será o próximo desenvolvimento na pandemia global.

Dados provenientes daquele país são de extrema importância para o estudo internacional dos sintomas, da letalidade, das taxas de positividade e de internamentos da Ómicron.

Comunicada pela primeira vez à Organização Mundial de Saúde (OMS), a 24 de Novembro, a Ómicron possui um número significativo de mutações — pelo menos 32 somente para a proteína spike. A maior parte de pesquisas centram-se na avaliação da transmissibilidade e da virulência da variante.

“A variante Ómicron está a propagar-se a uma taxa que ainda não vimos com nenhuma das variantes anteriores,” Director-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse na sua conferência de imprensa do dia 14 de Dezembro. “Estamos preocupados que as pessoas estão a considerar a Ómicron como sendo ligeira.

“De certeza que, por esta altura, já compreendemos que subestimamos este vírus para o nosso próprio prejuízo. Mesmo que a variante Ómicron cause uma doença menos grave, o maior número de casos pode, mais uma vez, superlotar os sistemas de saúde não preparados.”

Foi exactamente isso o que aconteceu na África do Sul.

A descoberta da variante Ómicron causou preocupação imediata, porque correspondeu a um aumento significativo de casos na província de Gauteng, que possui uma grande densidade populacional.

Dr. Richard Lessells, um médico especializado em doenças contagiosas, da Universidade de Kwa-Zulu Natal, em Durban, disse ao Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais sobre os primeiros alarmes que se seguiram à comunicação do laboratório de diagnóstico e sequenciamento genético da África do Sul.

“Temos estado a rastrear este vírus desde o começo e já encontramos variantes antes,” disse num podcast. “As sequências apareceram e claramente que tinham um aspecto muito anormal.”

“Eram muito diferentes daquilo que tínhamos estado a ver com a variante Delta. Era um número extraordinário de mutações, muito mais do que esperávamos a este estágio da pandemia.”

A nível nacional, os casos de COVID-19 atingiram o pico em meados de Dezembro, incluindo um novo recorde diário de 37.875 casos registados no dia 12 de Dezembro.

Mas o aumento acentuado no número de casos foi seguido de um decréscimo acentuado.

Dados de início de Dezembro, em Gauteng, mostraram que 8% de doentes de COVID internados foram tratados nas unidades de cuidados intensivos, uma redução quando comparado a 23% durante a vaga da Delta. Apenas 2% precisaram de ventiladores, uma redução quando comparado a 11%.

Assim como muitos especialistas, contudo, Lessells alerta para que não se corra para tirar conclusões de que a Ómicron possui características de sintomas menos graves. Isso pode ser mais um resultado da anterior imunidade à COVID-19 do que a possibilidade de que o vírus esteja a evoluir para tornar-se menos virulento, disse.

Estudos de sangue, feitos no início do mês de Dezembro, demonstraram que mais de 70% dos sul-africanos estiveram expostos e tinham alguma imunidade à COVID-19. Até ao dia 23 de Dezembro, esse número subiu para 80%.

“Não há dúvidas de que é altamente transmissível,” disse Lessells. “Está a propagar-se de forma muito eficiente numa população que temos provas de que possui altos níveis de imunidade contra as versões anteriores deste vírus.”

Mas a pergunta central permanece — até que ponto a Ómicron é perigosa?

Estudos contínuos de laboratório e de campo e análise de dados de vigilância irão precisar de tempo e de colaboração internacional. Os especialistas estão centrados em saber se a Ómicron afecta as células T, que são essenciais para a protecção imunológica do corpo contra doenças graves.

“É realmente muito cedo para sabermos,” disse Lessells. “Tenho esperança e sou optimista que, como temos mais ferramentas disponíveis do que tínhamos no ano passado, estamos em melhores condições para lidar com estas variantes.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.