Análise: Cerca de 80% dos Sul-africanos Já Tiveram COVID-19

Reading Time: 3 minutes

EQUIPA DA ADF

Um estudo sobre o impacto da COVID-19 na África do Sul sugere que aproximadamente 4 em cada 5 pessoas do país podem já ter contraído a doença, quer saibam ou não.

O relatório da empresa de seguros, Discovery Health, da África do Sul, chegou a essa conclusão, analisando a taxa de mortalidade da COVID e as estimativas diárias de mortes em excesso na África do Sul.

“Analisando estes números, chegamos à conclusão de que se trata de 42 a 48 milhões de sul-africanos,” actuária-chefe da Discovery Health, Emile Stipp, disse à Bloomberg. A população da África do Sul é de cerca de 60 milhões.

As mortes em excesso são o número de mortes acima da norma histórica. Em termos de COVID-19, as mortes em excesso representam as mortes causadas pelo vírus e as mortes causadas indirectamente — pelos atrasos devidos à superlotação dos hospitais, por exemplo.

Dos mais de 100 países representados na World Mortality Dataset, a taxa de mortes em excesso da África do Sul situa-se entre as mais elevadas.

O Conselho de Pesquisas Médicas da África do Sul (SAMRC, na sigla inglesa) faz o rastreio das mortes pela COVID-19 no país. A contagem do grupo inicia em Maio de 2020, quando o primeiro caso da pandemia foi registado na África do Sul.

O conselho estima que, desde então, a África do Sul registou mais de 244.800 mortes acima do normal. Assim como em outros países, a contagem das mortes em excesso é muito mais elevada do que as estimativas de mortes directamente relacionadas com a COVID-19. De acordo com o SAMRC e a Universidade da Cidade do Cabo, a COVID-19 representa 85% a 90% das mortes em excesso na África do Sul.

Stipp baseou a sua análise em 90% das mortes em excesso causadas pela COVID-19. Mais tarde, o estudo aplicou a taxa de mortalidade internacional para a COVID-19 àquele número.

A estimativa é uma variedade, disse Stipp à BizTech, da África do Sul, porque “não podemos ter a certeza sobre toda a gente, porque nem todos foram testados.”

A África do Sul está a experimentar a sua terceira vaga de infecções pela COVID-19, a qual está a ser impulsionada pela variante Delta. Esta vaga, que atingiu de forma mais forte as províncias de Gauteng e do Noroeste, atingiu o pico em Julho e continua a reduzir.

Durante o pico da segunda vaga de infecções na África do Sul, em Janeiro, por exemplo, o conselho registou mais de 16.000 mortes em excesso no dia 10 de Janeiro. Isso era quatro vezes o número da contagem de mortes pela COVID-19 no mesmo dia.

Apesar de a maior parte da população da África do Sul estar exposta à COVID-19, 20% a 30% de pessoas do país que continuam não expostas representam uma ampla oportunidade para que o vírus se torne uma preocupação crónica de saúde, disse Stipp.

“A imunidade comunitária é algo que devemos todos esquecer agora,” disse. “Não irá acontecer. A COVID está a tornar-se endémica.”

O mais provável é que o vírus continue a propagar-se pela população, apresentando mutações e criando novas variantes enquanto passa. A probabilidade de uma pessoa que dependa da imunidade natural para a protecção é de 25% de desenvolver um caso de COVID-19 que coloca a vida em perigo, disse Stipp.

Um estudo recente da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, concluiu que a variante Delta tem duas vezes mais probabilidade de enviar alguém para o hospital do que a variante Alfa.

Por causa das variantes, a África do Sul teve um menor número de pessoas que tiveram COVID duas vezes. Alguns já tiveram inclusive três vezes devido ao aparecimento de estirpes diferentes.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.