Tribunal Malawiano Prende Traficantes Ligados À Rede De Produtos Da Fauna Bravia

Reading Time: 2 minutes

AGÊNCIA FRANCE-PRESSE

Otribunal malawiano condenou membros de uma rede de traficantes a um total de 56 anos de prisão pela venda de produtos provenients da fauna bravia.

Os nove traficantes condenados faziam parte da associação criminosa Lin-Zhang e incluía sete cidadãos de nacionalidade chinesa. Os agentes prenderam o chefe da quadrilha, Yunhua Lin, em Agosto de 2020, depois de três meses de caça ao homem. O tribunal considerou-o culpado de tráfico de partes de animais, tais como escamas de pangolim, chifres de rinoceronte, marfim e dentes de hipopótamos.

Brighton Kumchedwa, Director de Parques e Vida Selvagem do Malawi, aclamou as condenações. “O Malawi não é mais um parque de diversão para estes criminosos que destoem a vida selvagem,” disse depois da sentença.

As autoridades acreditam que Lin-Zhang tem estado a operar no Malawi por pelo menos uma década. A caça furtiva já dizimou a população de elefantes do mundo, que registou um declínio de vários milhões no início do Séc. XIX para cerca de 400.000 em 2015. Até 60% das mortes de elefantes podem ser atribuídas à caça furtiva, de acordo com o grupo de conservação World Wildlife Fund.

Existe uma grande procura na Ásia por dentes de elefante, chifres de rinoceronte e outras partes de animais para ornamentação e suas alegadas propriedades medicinais.

Grupos ambientais internacionais elogiaram o Malawi pelo seu comprometimento em derrubar redes de tráfico. O Malawi prendeu 14 membros da associação criminosa, em 2019, e, até Agosto de 2020, um ainda esperava pelo julgamento, reportou o Nyasa Times.

“Depois de anos de esforços conjuntos e de superar inúmeros obstáculos, este pequeno país demonstrou como, com vontade política e determinação, desmantelar uma das mais proeminentes associações criminosas do crime organizado internacional em África,” disse Mary Rice, directora-executiva da Agência de Investigação Ambiental.

Rice espera que outros países sigam o exemplo do Malawi. “Combater o crime a este nível requer sofisticação, colaboração, coragem e tenacidade,” explicou. “O Malawi deve orgulhar-se muito — e outros países africanos que actualmente lutam contra este flagelo do comércio ilegal de vida selvagem fariam bem se seguissem este exemplo de liderança global.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.