Construindo Confiança

As Forças de Segurança Acreditam que Projectos Civis-Militares no Mali Levarão a uma Melhoria da Segurança

Reading Time: 6 minutes

EQUIPA DA ADF

Num dia de Agosto, na aldeia maliana de Gossi, um grupo reuniu-se para marcar a inauguração de um novo edifício para uma associação local de mulheres. A humilde estrutura de argila era um raro ponto brilhante para a cidade deserta de cerca de 8.000 pessoas, a qual foi enfermada pela violência durante anos.

“Depois das horas sombrias vividas pelo povo de Gossi, congratulamos a essas mulheres pela sua abordagem”, disse o tenente Yacouba, da Guarda Nacional do Mali, durante a cerimónia.

A associação de mulheres, que tem cerca de 250 membros, tinha sido um pilar de estabilidade na cidade. Antes da crise maliana de 2012, a associação operou um moinho de vento para moer sementes de algodão e produzir óleo de cozinha. A venda do óleo apoiou numerosas famílias. Mas repetidos ataques extremistas danificaram o moinho e o prédio da associação feminina. De forma ainda mais trágica, muitas das mulheres perderam os maridos no conflito.

Quando a associação procurou as Forças Armadas Francesas e Malianas (FAMa) para ajudar a reconstruir a associação e um centro de acolhimento de crianças para permitir que as mulheres trabalhassem durante o dia, as equipas civis-militares concordaram com entusiasmo. 

“Antes da FAMa e Barkhane estarem aqui, todos estavam com tanto medo que ficaram dentro das suas casas”, disse Madame Dicko, presidente da associação de mulheres. “A maioria das mulheres em Gossi tornaram-se viúvas, e muitas crianças são órfãs. Mas hoje sentimo-nos seguras porque eles estão aqui na nossa frente. Podemos sair, ir ao mercado e até andar por aí à noite. Antes, isso era impossível.”

À medida que os ataques extremistas proliferam nesta região conturbada, as forças francesas e malianas estão a trabalhar numa estratégia para reconquistar o apoio da população local que foi tão duramente agredida por anos de agitação. Em 2019, as forças Barkhane e malianas lideraram mais de 75 projectos civis-militares, incluindo a perfuração de poços de água, o apoio a pastores e a construção de escolas. Quase metade desses projectos estava na histórica região de Liptako-Gourma, que inclui Gossi e fica perto da fronteira com o Níger e Burkina Faso.

Espera-se que esta estratégia civil-militar contribua tanto para melhorar a vida e conduzir a uma paz duradoura como para os esforços militares cinéticos.

“Vocês estão a participar na reconstrução do país; certifiquem-se de que a solidariedade maliana nunca seja quebrada”, disse Yacouba à multidão reunida em Gossi. “Nós damo-vos as chaves desses edifícios para que vocês possam fazer este projecto florescer. Estamos juntos.”

Confiança Abalada

O governo do Mali quase entrou em colapso em 2012, depois de uma rebelião no norte, uma tentativa de golpe e a ocupação de 60 por cento do país por uma coalizão de tuaregues étnicos e extremistas violentos.

A fé no sector da segurança, já abalada, diminuiu para um novo mínimo. As acusações de violações dos direitos humanos, corrupção e nepotismo mancharam a imagem dos profissionais de segurança, incluindo a FAMa, gendarmes, guarda nacional e polícia.

Durante a crise, histórias de soldados mal equipados abandonando os seus postos e queixas de que as unidades em patrulha não receberam combustível para os seus camiões pioraram as coisas.

“Quando vejo o nível do meu exército, temo”, disse a Ministra da Defesa do Mali, Ibrahima Dahirou Dembélé, num discurso ao parlamento. “Eu quero alcançar o nível de outros exércitos, e é hora de Mali assumir o comando.”

Outro factor complicado foi o facto de que a maioria das revoltas ocorreu no norte do país, e a FAMa era composta principalmente por soldados do sul. Num estudo de esforços para reformar a FAMa, o pesquisador Marc-Andre Boisvert disse que os militares precisavam de aprender a “língua, a cultura e as realidades diárias” das pessoas que juraram proteger.

Soldados do Mali falam com uma mulher enquanto fazem patrulha em Ndaki. REUTERS

“A FAMa continua a ser um corpo afastado do seu próprio território”, escreveu Boisvert. “Enviados a partir do sul, os militares não conhecem as populações locais do norte.”

Para proteger o público, os militares primeiro precisavam de ganhar a sua confiança.

CIMIC

Os projectos de cooperação civil-militar (CIMIC, acrónimo inglês) fazem parte de uma vasta categoria que pode incluir o trabalho de infra-estruturas, a ajuda humanitária, o diálogo comunitário e muito mais. Os melhores projectos CIMIC têm um impacto “3-D”, o que significa que ajudam a apoiar a defesa, o desenvolvimento e a diplomacia. 

Além de ajudar a melhorar a vida das pessoas em áreas emergentes de conflitos, elas podem demonstrar “dividendos da paz”, mostrando à comunidade as vantagens económicas da estabilidade. Os projectos melhoram a reputação das Forças Armadas e podem abrir canais de comunicação entre soldados e civis. Os projectos CIMIC também enfraquecem o apoio às insurgências em situações em que os combatentes recebem ajuda ou estão misturados na comunidade.

O Centro de Excelência CIMIC da NATO insta os profissionais a fazerem perguntas antes de empreenderem um projecto. Essas perguntas podem ser: 

Este projecto traz algum prejuízo? Alguns projectos podem resultar em competição, ciúmes ou preconceitos dentro de uma comunidade.

Como é que este projecto afectará outras comunidades? Alguns projectos podem prejudicar as relações entre as comunidades ao dar injustamente vantagem a um em detrimento de outro.

Quem se beneficiará mais com o projecto? Alguns projectos beneficiam apenas certos grupos, como homens, mulheres, crianças ou idosos. Outros podem beneficiar apenas uma determinada classe social, religião ou grupo étnico.

Os recursos são seguros? O projecto corre o risco de ser roubado ou destruído por maus actores?

Mais alguém na região está a fazer algo semelhante? Projectos que competem ou deslocam empresas locais podem ter efeitos negativos inesperados.

Uma Imagem em Processo de Recuperação

Em 2019, a Operação Barkhane da França abriu uma base em Gossi. Foi projectada para ser uma “base de avanço temporário” para lançar missões contra extremistas na volátil região de Liptako-Gourma. A região das três fronteiras tornou-se uma das mais mortíferas do mundo. Em 2019, Mali, Burkina Faso e Níger sofreram 4.779 mortes como resultado de violência extremista ou conflito armado. A maioria ocorreu na região das três fronteiras.

Crianças recebem kits escolares durante um evento liderado por soldados civis-militares franceses em Gossi, Mali.
MINISTÉRIO DA DEFESA FRANCÊS

As forças malianas e francesas sabiam que para restabelecer a segurança era preciso priorizar a CIMIC.

“O objectivo é tentar retornar à paz, não por meio de combate, mas por projectos sociais e estruturais”, disse o tenente Emilie, especialista da CIMIC nas Forças Armadas francesas. “O que é importante entender é que é juntos que podemos alcançá-la.”

Gossi depende fortemente de um lago de 14 quilómetros que é vital para a pesca, pastagem e irrigação. A missão de manutenção da paz da ONU no Mali construiu um dique para evitar que o lago seque. As equipas Barkhane e FAMa compraram e pagaram para operar um pequeno barco para levar os alunos a atravessar o lago para onde frequentam a escola. A equipa CIMIC também organizou “dias de limpeza” em que soldados e civis tiram o lixo e limpam as ruas. Por último, a equipa CIMIC voltou a pôr um poço em funcionamento e construiu um muro de vedação de uma escola primária.

“Desde a nossa chegada, colocamos ênfase na água, educação e emprego”, disse o adjunto Pierre, líder da CIMIC para a Operação Barkhane em Gossi. “A ociosidade é um terreno fértil que leva ao banditismo.”

Soldados franceses falam com civis durante a entrega de um pequeno barco usado para transportar crianças pelo lago para frequentarem a escola em Gossi, Mali. FRENCH MINISTRY OF DEFENSE

Até agora, é impossível avaliar o impacto que esses esforços estão a ter, mas dados recentes mostram que o apoio público ao Exército do Mali está em alta. Uma pesquisa da fundação alemã Friedrich-Ebert-Stiftung descobriu que 69 por cento dos malianos disseram ter fé na FAMa para garantir a segurança. Esta foi a classificação de favoritismo mais alta para qualquer organização de segurança no país.

Em Fevereiro de 2020, o primeiro-ministro do Mali, Dr. Boubou Cissé, passou vários dias a visitar cidades ao norte do país e anunciou planos para recrutar 10.000 novos membros de serviço para a FAMa.

“Desta viagem, levarei comigo a determinação e a resiliência da população diante de uma crise”, disse. “Apesar dessas dificuldades diárias, eles continuam com esperança no Mali e nas autoridades. Em contrapartida, vamos mostrar-lhes que as autoridades estão do seu lado.”  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.