Gabão Posiciona-Se Contra O Comércio De Pangolim

Reading Time: < 1 minute

AGÊNCIA FRANCE-PRESSE

Gabão interdita a venda e o consumo de pangolins e morcegos que se suspeita serem as fontes do surto de COVID-19 na China.

Os pangolins estão em grande risco de extinção e já há muito tempo têm sido protegidos, mas são vendidos nos mercados da capital Libreville onde a sua carne é muito popular. Há muito que têm sido contrabandeados para China, onde são altamente apreciados na medicina tradicional.

A nação do centro de África é 88% coberta de florestas, com a caça e o consumo da carne de caça a serem um estilo de vida que vem do passado.

O Ministério das Águas e Florestas disse que estudos indicam que a COVID-19 foi uma “combinação de dois vírus diferentes — um semelhante aos morcegos e outro semelhante aos pangolins.”

As autoridades do Gabão disseram que a decisão segue outras restrições tomadas durante os surtos passados. “Uma decisão semelhante foi tomada pelas autoridades quando o nosso país foi afectado pelo vírus do Ébola – com a proibição da ingestão de primatas”, disse o Ministro das Florestas, Lee White.

A agência nacional de parques anunciou, em meados de Março, que os turistas não podiam mais ser autorizados a interagir com macacos grandes para evitar quaisquer riscos de contaminação pela COVID-19.

Acredita-se que o pangolim, o mamífero mais traficado do mundo, também chamado de comedor de formigas escamoso, tenha sido possivelmente um vector na transmissão da COVID-19 a partir do animal para o ser humano num mercado de Wuham, na China, em 2019.

As suas escamas chegam a atingir um alto preço no mercado negro porque são geralmente utilizadas na medicina tradicional chinesa embora cientistas insistam que elas não têm qualquer valor terapêutico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.