China Usa Ajuda Militar e Corrupção para Proteger Seus Interesses Mineiros na RDC

0

EQUIPA DA ADF

Onde o Rio Aruwimi cruza com o Rio Congo, no centro da República Democrática do Congo (RDC), os residentes de Basoko sentem os efeitos da crescente relação do seu país com as operações mineiras da China.

O pescador Michel Basosila já vendeu peixe defumado rio acima, na cidade portuária de Kisangani. Actualmente, ele vende farinha de mandioca.

“Esta tornou-se a minha única fonte de rendimento,” disse Basosila ao Global Press Journal. “Actualmente, vendo farinha de mandioca porque o peixe se tornou tão raro e tão dispendioso, e não faço nenhum lucro.”

Ao longo da última década, a China aumentou drasticamente a sua presença na RDC, uma grande fonte de cobalto e outros metais utilizados em smartphones, automóveis eléctricos e outros produtos que utilizam baterias recarregáveis. Ao longo do caminho, a China também prometeu um maior apoio ao exército da RDC, como forma de proteger os seus investimentos naquele país contra mineiros ilegais e protestantes residentes.

A RDC produz 71% do cobalto do mundo. As empresas chinesas detêm 15 das 19 minas que extraem aquele recurso. Cerca de 80% do cobalto da RDC vai para a China para processamento.

A expansão da China na RDC preparou o caminho para a corrupção no governo e crescentes conflitos entre os operadores mineiros e os residentes das regiões de mineração.

“Um dos maiores acordos da história da República Democrática do Congo é também um dos mais sujos,” J.R. Mailey, director de investigação da organização investigativa e política, The Sentry, escreveu no “The Backchannel,” uma reportagem sobre as operações mineiras da China na RDC.

Enquanto extraíam bilhões de dólares em minerais na RDC, as empresas chinesas também injectavam até 55 milhões de dólares para os bolsos dos familiares do então Presidente da RDC, Joseph Kabila, através de um banco gabonês detido pelo seu irmão, de acordo com a The Sentry.

No seu relatório, o analista escreveu: “Analisado sob um outro prisma, o investimento geracional no potencial da RDC, um que visava ajudar a curar as feridas de décadas de má gestão e guerras sucessivas, na verdade, serviu um outro fim tão prevalecente nas economias dependentes de recursos do mundo: encher os bolsos dos poderosos com riquezas enterradas debaixo dos pés da população empobrecida.”

Quando se expandiu na RDC, a China forneceu formação ao exército da RDC e comprometeu-se em fornecer ainda mais. A oferta da China de apoio militar à RDC vem numa altura em que os residentes estão cada vez mais frustrados com o comportamento das empresas de mineração chinesas.

Em 2019, o exército enviou soldados para manterem os mineradores ilegais fora da mina de Tenke Fungurume, detida pela empresa China Molybdenum Ltd. Nessa altura, o porta-voz do exército disse que o envio foi ordenado “porque a empresa contribui para a economia deste país.”

Os grupos de direitos humanos dizem que estes desenvolvimentos correm o risco de criar violações de direitos humanos e antagonizar ainda mais os residentes, que, tal como os de Basoko, já têm os seus meios de subsistência e saúde ameaçados pelas minas.

Um estudo de 2021, feito por investigadores congoleses, Jean De Dieu Mangambu Mokoso, Asimbo Bondoo Norbert e Ekele Mbenga Robert, argumenta que os planos para abrir novas operações mineiras ao longo do Aruwimi irão criar mais poluição do ar, deflorestação e inundações.

O governo do actual Presidente Felix Tshisekedi fez progressos em direcção à transparência no sector mineiro, mas precisa de fazer mais para publicar os contratos e os rendimentos, de acordo com a organização de combate à corrupção da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva.

Em Fevereiro, o governo disse que tinham nomeado um administrador especial por seis meses para gerir uma empresa de proprietários chineses por causa de uma disputa com o proprietário minoritário da mina. Até Junho, os operadores da mina disseram que nada tinha mudado.

A China continua a expandir o seu apoio ao exército da RDC. Fazer isso ajuda a China a garantir o fluxo ininterrupto de cobalto, cobre e outros minerais valiosos. Também cria relações com os líderes militares da RDC, potencialmente mantendo os outros países fora, de acordo com Robert Bociaga, escrevendo no The Diplomat.

Enquanto um conjunto pequeno de líderes militares e civis pode beneficiar-se de suas relações com as empresas de mineração chinesas, os residentes ao longo do Aruwimi e outros rios sentem a dor.

“Este rio é uma fonte de rendimento para mim e para a minha família, mas nos últimos dois anos, não fui capaz de pescar,” pescador Charles Baima, disse ao Global Press Journal. “A vida ficou difícil demais para mim.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.