Uganda Perde Aproximadamente 500.000 Postos de Trabalho Durante a Pandemia

0

EQUIPA DA ADF

A pandemia da COVID-19 deu golpes devastadores contra as economias africanas, encerrando empresas e deixando desempregados 13,5 milhões de trabalhadores, na África Subsaariana.

Uganda não foi poupado.

Como uma população de apenas menos de 46 milhões, o Uganda perdeu aproximadamente 500.000 postos de trabalho desde que a COVID-19 eclodiu, de acordo com um estudo do Centro de Pesquisa de Política Económica (EPRC), da Universidade de Makerere, em Kampala, em colaboração com o Centro de Pesquisa de Desenvolvimento Internacional (IDRC), do Canadá. Publicado em Junho, o estudo foi realizado no final do segundo confinamento obrigatório do Uganda, em finais de 2021.

Os sectores mais afectados foram a educação, que perdeu 293.000 postos de trabalho na altura em que as escolas encerraram; a hotelaria e o turismo, que perderam 90.000 postos de trabalho; e o sector fabril, que perdeu 44.000 postos de trabalho. Os trabalhadores jovens e os do sexo feminino foram desproporcionalmente afectados.

“Um número considerável de empresas encerrou as portas permanentemente devido a factores directa ou indirectamente relacionados com a COVID-19,” de acordo com o estudo. “Os episódios da COVID-19 também são caracterizados por encerramento intermitente de negócios de forma completa e parcial. Até ao fim do segundo confinamento obrigatório da COVID-19, as empresas não tinham retomado à sua condição pré-COVID-19.”

O estudo envolveu mais de 1.500 micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), maior parte das quais sofreu um “impacto severo” da COVID-19 e das medidas de saúde pública a ela relacionadas. Contudo, 40% destas empresas tinham sido encerradas, e 39% não pôde ser rastreado, significando que também foram encerradas.

Mais de metade das empresas do estudo também reduziram significativa a folha de pagamentos para aliviar o stress financeiro.

O estudo recomendou várias formas para fortalecer a resiliência das MPME, incluindo:

* Melhorar o comércio electrónico.

* Investir em centros de informação de negócios onde os proprietários das pequenas empresas podem obter apoio e aconselhamento.

* Fortalecer a capacidade das empresas para aceder a recursos externos para o crescimento e desenvolvimento.

* Desenvolver planos de seguro inovadores.

* Criar ou reforçar iniciativas que promovam a inovação e a diversificação.

O estudo do EPRC/IDRC concluiu que o governo deve prestar maior atenção para o custo de fazer negócios durante a pandemia.

“Isso é crucial para o controlo dos custos dos insumos e para garantir um mínimo de interrupções das cadeias de fornecimento,” refere o estudo. “Abordar factores fundamentais que determinam o custo de fazer negócio, incluindo os custos de transporte, remoção de barreiras para as cadeias de fornecimento e custo com serviços e de implementação [dos procedimentos operacionais padrão] da COVID-19, dentro do ambiente de negócios das MPME.”


A Guerra da Rússia Exacerba os Males
O ataque da Rússia contra a Ucrânia exacerba os males económicos dos ugandeses, numa altura em que as interrupções nas cadeias de fornecimento aumentam os preços de produtos alimentares, combustível e outras necessidades. Mesmo aqueles que não tinham perdido os seus postos de trabalho sentiram o aperto.

Os ugandeses levaram as suas frustrações para as ruas em meados de Julho, quando a polícia prendeu oito pessoas que protestavam contra a inflação, na cidade sudeste de Jinja. Os manifestantes irados incendiaram pneus e bloquearam uma estrada agitada, incitando os motoristas a juntarem-se a eles para exigirem que o governo subsidie os produtos alimentares básicos.

A taxa de inflação para produtos alimentares alcançou 13,1% em Maio, enquanto o preço do combustível duplicou desde Fevereiro.

“Nós, com certeza, apoiamos esse tipo de protestos,” Solomon Wandibwa, de 28 anos de idade, disse à Agência France-Presse. “O governo deve agir. As pessoas dormem com fome à noite.”

Numa comunicação à nação, em Maio, o presidente Yoweri Museveni apelou os cidadãos a serem moderados na adquisição de produtos importados. Museveni disse que ele está relutante em reduzir os impostos, argumentando que fazer isso irá piorar mais ainda a economia, noticiou a AFP. O Uganda importa a maior parte do seu trigo, fertilizante e combustível dos países beligerantes.

Ziana Aigaru, um agricultor ugandês, viu a questão sob um ponto de vista diferente.

“Não apenas fertilizantes, a propósito, mesmo os herbicidas — tudo subiu em termos de preços,” disse Aigaru à Voz da América. “Por exemplo, a Bukoola [um fabricante de produtos agrícolas] está a aumentar os preços por causa do imposto que incorre na importação de produtos químicos. Por isso, se os impostos forem reduzidos, isso significa que os custos irão reduzir.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.