Regulamentos Marítimos Favorecem Frotas Estrangeiras em Detrimento dos Pescadores Artesanais

Reading Time: 4 minutes

EQUIPA DA ADF

Aproximadamente 12,3 milhões de pessoas trabalham nos sectores de pescas e de aquacultura de África, mas os seus meios de subsistência estão comprometidos por regulamentos que favorecem as grandes frotas estrangeiras.

De acordo com uma análise publicada pela The Conversation Africa, muitos países das regiões costeiras adoptaram regulamentos que permitem que as frotas de pesca em águas longínquas (PAL) pesquem em zonas onde as unidades populacionais de peixe se encontram em declínio acentuado.

Muitas frotas da PAL envolvem-se na pesca ilegal, não declarada e não regulamentada (INN). Na África Ocidental, onde as frotas da PAL da China por muito consideraram um alvo, estima-se que a pesca INN é responsável por capturar 40% a 65% da quantidade da captura legalmente registada. Alguns países possuem áreas extensas para a pesca industrial e áreas de tamanho reduzido para os pescadores artesanais, apesar de estarem a tentar lutar contra a pesca INN.

Uma falta de capacidade dos agentes para as leis marítimas e os acordos opacos com empresas de pesca estrangeiras ameaçam ainda mais os meios de subsistência dos pescadores de pequena escala, processadores de peixe, agricultores e vendedores do continente.

“O sector das pescas marinha está sob ameaça devido a estas taxas de pesca insustentáveis e também pelo facto de existir uma fraca governação das pescas,” escreveram os investigadores Ifesinachi Okafor-Yarwood e Edward Allison no The Conversation Africa. “As medidas de governação das pescas em África, em grande medida, restringem os pescadores de pequena escala e não conseguem conter o sector de pesca industrial.”

Trabalhos em Progresso

Alguns países estão a procurar consertar o desequilíbrio.

Em Dezembro de 2021, Benin, Gana e Togo assinaram um acordo para a melhoria da monitoria das pescas daqueles países e partilha de informação marítima fornecida pelo Centro Regional de Monitoria, Controlo e Vigilância de Gana, noticiou a SeafoodSource. As práticas comerciais marítimas ilegais custam aos países da África Ocidental aproximadamente 1,95 bilhões de dólares em toda a cadeia de valores pesqueiros e 593 milhões de dólares por ano em rendimento familiar.

Mavis Hawa Koomson, o Ministro das Pescas e Desenvolvimento da Aquacultura, anunciou em Setembro de 2021 que o país está a reavaliar as leis e as políticas que regulam o seu sector das pescas e a rever as suas Políticas Nacionais das Pescas e da Aquacultura.

Os esforços “são para garantir que a gestão dos recursos pesqueiros satisfaçam as tendências emergentes na gestão das pescas e as melhores práticas internacionais,” disse Koomson num artigo do site ganês de notícias, Myjoyonline.com.

Apesar dos esforços do Gana, a análise do The Conversation Africa revelou que alguns regulamentos estão a prejudicar os pescadores artesanais. O sector da pesca industrial deve observar um período de defeso de dois meses, enquanto o sector artesanal observa um encerramento de um mês.

O objectivo era de preservar as unidades populacionais de peixe, mas os críticos afirmam que a medida causou um aumento da fome entre os agregados familiares e uma falta de diversificação de alimentos.

Em 2020, a Libéria embarcou num projecto de 3 milhões de dólares, com duração de quatro anos, destinado a ajudar os pescadores locais na sua batalha contra a pesca ilegal. O projecto Communities for Fisheries (Comunidades para as Pescas) formará pescadores locais para tirarem fotografias com marcas geográficas de arrastões suspeitos de praticarem a pesca INN. É uma parceria entre a Fundação para a Justiça Ambiental e a Autoridade Nacional das Pescas e da Aquacultura da Libéria.

Para além disso, em 2020, a Libéria recusou conceder licenças de pesca a seis grandes arrastões chineses capazes de dizimar as unidades populacionais de peixe daquela região. A embarcação de 50 metros, com redes enormes e equipamento sofisticado de rastreio de peixe, pode capturar anualmente mais de 2.000 toneladas de peixe de fundo. Isso é 4.000 vezes superior ao que uma canoa artesanal pode capturar, de acordo com a SeafoodSource.

Áreas de Pesca Limitadas

Libéria, Madagáscar e Somália reduziram as áreas em que os pescadores artesanais podem pescar e expandiram as zonas destinadas aos arrastões industriais.

No Madagáscar e na Somália, o sector da indústria pesqueira está a expandir através de acordos de acesso e licenças atribuídas às frotas de PAL ligadas à União Europeia e à China, demonstrou a análise.

Mas os dois países ainda estão a procurar lutar contra a pesca INN.

Em Setembro de 2021, o Madagáscar anunciou que tinha oficialmente solicitado a sua entrada na Iniciativa de Transparência nas Pescas (FiTI), de acordo com uma reportagem da blueventures.org. A FiTI visa recolher e tornar públicos os dados relacionados com a pesca, incluindo o número de embarcações licenciadas para pescar nas águas de um determinado país, dados de capturas, informação sobre a sustentabilidade das unidades populacionais de peixe e o valor económico de várias formas de pesca e do processamento de peixe.

“Este é um grande passo em direcção a preservação, gestão e desenvolvimento dos locais de pesca sustentáveis para futuras gerações,” Ministro das Pescas e Economia Azul do Madagáscar disse num comunicado. “Juntar-se à FiTI irá permitir que possamos melhorar a prestação de serviços públicos, melhorar a transparência para uma pesca responsável e promover a colaboração entre todos os actores do sector das pescas e economia azul.”

Depois de anos de diminuição de ataques de pirataria na Somália, as frotas de pesca, na sua maioria provenientes do Irão e do Iémen, mas em número cada vez maior proveniente da China, regressaram para as águas, fazendo com que a pesca INN seja um grande desafio que lesa o país em milhares de dólares por ano.

Em Julho de 2021, a Somália elaborou um projecto de lei visando o fortalecimento do seu processo de atribuição de licenças de pesca para melhorar a transparência e fechar as lacunas que contribuem para a sobrepesca.

A Somália produziu um novo projecto de lei das pescas que irá abordar as lacunas existentes no sistema de partilha de poder federal e de gestão das pescas, enquanto lida com a corrupção, sistemas de licenciamento e protecção ambiental, disse Mohamud Sheikh Abdullahi, director-geral do Ministério das Pescas da Somália, de acordo com um relatório da SeafoodSource. “Também estamos a fortalecer a coordenação intergovernamental no nosso país e com outras agências marítimas.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.