Investigadores Africanos Entre os Líderes Mundiais na Identificação de Variantes da COVID-19

0

EQUIPA DA ADF

Quando a África do Sul experimentou um surto da COVID-19, num hospital de Durban, no início de 2020, os investigadores da Plataforma de Inovação em Pesquisa e Sequenciamento (KRISP), próximo de KwaZulu-Natal, entraram em acção.

As equipas daquele lugar examinaram centenas de amostras de vírus colhidas de pacientes do hospital, identificando as impressões digitais genéticas de cada amostra e acrescentando aquela informação ao banco de dados global crescente e relacionado com a pandemia.

Desde aqueles primeiros dias, os laboratórios de genómica de África lideraram o mundo na detecção do tipo de mudanças do vírus da COVID-19 que dá lugar ao surgimento de variantes, como a Delta e a Ómicron, que aumentaram a letalidade e a transmissibilidade do vírus.

Na Nigéria, por exemplo, o Professor Christian Happi, do Centro Africano de Excelência em Genómica de Doenças Infecciosas, foi o primeiro a identificar a COVID-19 no continente. O seu laboratório também identificou a variante de interesse que a Organização Mundial de Saúde (OMS) atribuiu o nome de Eta.

Os investigadores de Botswana, Etiópia, Senegal e de outros lugares também contribuíram para que o mundo compreendesse a COVID-19. Os investigadores sul-africanos, contudo, emergiram como os principais detectives das variantes do continente, graças a décadas de rastreamento da evolução do HIV e de outras doenças. A KRISP é um líder mundial na filogenética de vírus, a ciência de detecção de variantes.

Nos seus laboratórios, os investigadores sul-africanos utilizam a tecnologia mais avançada do mundo para efectuar a leitura da composição genética dos vírus.

“É importante para o continente africano ter uma grande instalação de estudos genómicos com a mais recente tecnologia de ponta necessária para liderar a vigilância genómica,” Professor Tulio de Oliveira, director do recentemente criado Centro de Resposta Epidémica e Inovação, disse à Illumina, a empresa que produz as máquinas utilizadas para efectuar a análise de genética de vírus.

Realizando as suas próprias análises, os países africanos poupam o tempo que gastariam a, de outro modo, enviar as amostras para o exterior para que serem identificadas. Os líderes de saúde pública podem aproveitar esse tempo para acabar com a propagação de doenças contagiosas.

África do Sul soou o alarme em Novembro último sobre a variante Ómicron, que foi descoberta no Botswana. A variante Ómicron assolou o mundo e substituiu a variante Delta em muitos países.

Antes da Ómicron, os cientistas sul-africanos detectaram a primeira variante da COVID-19, mais tarde designada de Alfa, e a variante Beta veio em meados de 2020. Em meados de 2021, eles também identificaram a variante C.1.2, a versão da COVID-19 que registou o maior número de mutações antes da Ómicron.

O Dr. John Nkengasong, Director do Centro Africano de Controlo e Prevenção de Doenças (Africa CDC) recentemente elogiou a África do Sul pelo poder do seu sistema de vigilância, a sua dedicação à transparência e a sua resposta rápida ao partilhar informação sobre a Ómicron e outras variantes.

“Se toda a gente do mundo fizesse isso, estaríamos muito bem-posicionados,” disse Nkengasong durante uma recente conferência de imprensa.

O sucesso da África do Sul no rastreamento da evolução da COVID-19 deve-se, em parte, à Rede de Vigilância Genómica da África do Sul, criada em Junho de 2020, para unir os laboratórios e os investigadores do país e agrupar os seus dados para orientar as medidas de saúde pública.

A rede tornou-se na principal componente da Iniciativa Africana de Genómica de Patogénicos, um projecto conjunto dos escritórios regionais da OMS África e o Africa CDC para ligar uma dezena de laboratórios de sequenciamento de todo o continente.

Desde Setembro de 2020, a iniciativa contribuiu para o aumento em cinco vezes no sequenciamento genómico do continente. Até finais de 2021, tinha contribuído com mais de 61.600 sequências de COVID-19 para a base de dados global, mais de 40% das quais provenientes da África do Sul.

Apesar do enorme progresso, África continua muito atrasada em relação a outros continentes na percentagem de amostras sequenciadas. Mesmo com as instalações de estudos genómicos mais avançadas do continente, a África do Sul fez apenas o sequenciamento de menos de 1% do seu número total de casos.

Peter van Heusden, um bioinformático do Instituto Nacional de Bioinformática da África do Sul, disse à Devex que a rede continental precisa de garantir que todos os países tenham capacidade laboratorial adequada para melhorar a compreensão da pandemia.

O Africa CDC e a OMS estão a trabalhar com a KRISP e outros laboratórios para formar mais cientistas nas habilidades necessárias para o sequenciamento de genomas da COVID-19.

“Felizmente, a velocidade e a transparência do Botswana e da África do Sul na detecção e alerta ao mundo sobre a nova variante foram para nós algo muito importante,” disse o Dr. Abdou Salam Gueye, director regional de emergências da OMS África. “Eles deram ao mundo uma preparação antecipada na montagem de uma resposta imediata.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.