Quénia Experimenta Chás Artesanais

Reading Time: < 1 minute

AGÊNCIA FRANCE-PRESSE

Numa fábrica com um zumbido nos planaltos de Quénia, o chá é colhido dos campos à mão, curado e triturado em folhas finas que já saciaram consumidores de Londres a Lahore durante várias gerações.

Mas o valioso chá preto do Quénia não custa mais aquilo que custava antes, obrigando os principais fornecedores da bebida mais famosa do mundo a tentarem algo novo. Nas colinas bucólicas à volta de Nyeri, colaboradores da fábrica experimentam uma gama de chás artesanais, desviando-se de décadas de tradição na busca de novos clientes e protegendo-se contra a instabilidade dos preços.

À semelhança do que acontece com a maior parte dos produtores do Quénia, eles têm estado a produzir da mesma forma durante décadas — o método de esmagar, quebrar e enrolar (CTC), gerando folhas ultra-finas bem prontas para saquetas de chá no mundo inteiro. Agora, em Gitugi, numa fábrica na cordilheira de Aberdare, os produtores estão a experimentar uma variedade de folha inteira e de processamento lento, apreciada pelos seus tons e aparência complexos.

O risco era necessário: os preços de um CTC robusto num leilão baixaram 21%, entre 2018 e 2019, sublinhando a urgência de diversificar e extrair mais de cada planta de chá.

O mercado em mudanças pode abrir as portas para mercados onde infusões e chás personalizados à base de folha inteira são recompensados com preços mais elevados, disse Grace Mogambi, da Agência para o Desenvolvimento do Chá do Quénia. A agência representa 650.000 pequenos agricultores, vendendo e promovendo o seu chá.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.