Estatísticas da OMS Revelam o Custo da COVID-19 no Continente

0
EQUIPA DA ADF

A vida parece estar a voltar ao normal em muitas áreas, mas a pandemia da COVID-19 está longe de ter terminado, conforme sugere o relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em finais de Outubro, a organização comunicou que mais de 12,3 milhões de infecções por COVID-19 e 256.900 mortes foram registadas em África desde que a pandemia começou. As estatísticas foram registadas por volta da altura em que os cientistas de todo o mundo identificaram uma variedade de novas subvariantes da Ómicron.

A África do Sul é de longe o país mais assolado do continente, registando pouco mais de 4 milhões de infecções e mais de 102.300 mortes.

Depois do número de mortes da África do Sul seguem a Tunísia, que registou mais de 29.200 mortes e mais de 1,1 milhões de infecções; o Egipto, que registou aproximadamente 24.800 mortes e mais de 515.400 casos; o Marrocos, com cerca de 16.300 mortes e aproximadamente 1,27 milhões de infecções; e a Etiópia, que registou cerca de 7.600 mortes e aproximadamente 494.000 casos.

Por contraste, os números da OMS demonstraram que Burundi registou apenas 15 mortes e menos de 50.500 infecções, seguido de São Tomé e Príncipe, que registou 77 mortes e menos de 6.300 infecções; Eritreia, que registou 103 mortes e menos de 10.200 infecções; a República Centro-Africana, que registou 113 mortes e menos de 15.300 casos; e Serra Leoa, que registou 126 mortes e menos de 7.800 casos.

Os números vêm com uma advertência, uma vez que a comunicação sobre o número de casos e a vigilância não são consistentes no continente e alguns países receberam críticas por subnotificarem os dados.

“As taxas de testagem e de sequenciamento continuam baixas a nível mundial e a proliferação contínua de novas variantes continua a ser uma preocupação,”Director-Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse durante uma conferência de imprensa, em meados de Novembro. “A OMS continua a apelar à cautela.”

Numa altura em que o novo ano se aproxima, a OMS registou mais de 300 subvariantes da Ómicron que circulam pelo mundo. Cerca de 95% das subvariantes estão relacionadas com a BA.5. Os sintomas mais comuns relacionados com a novo conjunto de subvariantes são tosse, fatiga severa, dores de cabeça, febres, prurido nasal, comichão na garganta e dores musculares, de acordo com um relatório publicado no site livemint.com.

Anteriormente, a pandemia saltava de uma linhagem de COVID-19 para a próxima, como sair de Delta para Ómicron, Dr.

, da Universidade de Heidelberg, Alemanha, disse à revista New Scientist.

“Geralmente, uma nova variante vinha e substituía todas ou a maior parte das outras variantes predecessoras de forma muito rápida, mas agora estamos a registar uma verdadeira mistura de subvariantes, com muito mais mudanças incrementais que resultam de elas adquirirem um portefólio de mutações em todo o genoma viral,” disse Gerstung à revista.

Mutações menores estão a ajudar as novas subvariantes a evitar a imunidade, acrescentou Gerstung.

Na África do Sul, assim como em muitos países africanos, a pandemia representou desafios que exigiram soluções inovadoras.

Em Novembro, a OMS destacou os paços dados pelas autoridades de saúde na província do Estado Livre, onde a resposta inicial à pandemia estava centrada a nível provincial. Isso significa que os distritos reuniam dados em documentos, enviavam a informação para o nível provincial para análise, que posteriormente oferecia um retorno para os distritos para, por sua vez, informarem as suas respostas.

Na altura em que se tomava uma medida, as infecções e as mortes já estavam a aumentar.

“Entendemos rapidamente que isso não seria sustentável,” Priscilla Monyobo, ponto focal provincial da OMS, disse na página da internet da organização.

Isso levou a uma abordagem descentralizada a nível dos distritos, que melhorou o rastreamento de contactos, as investigações do surto, o envolvimento da comunidade e a gestão e análise de dados. Esta abordagem levou a uma detecção mais rápida do surto e melhorou as respostas direccionadas.

“Chamamos a isso de inovação a partir de uma necessidade,” Bandile Ntombela, director de informação do Departamento de Saúde do Estado Livre, disse na página da internet da OMS. “Inovem, caso contrário, as pessoas irão morrer.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.